domingo, 13 de janeiro de 2019

Navio pirata naufragado revela tesouros e armas do século 17

Canhões do navio Schiedam (Foto: David Gibbins/Cornwall Maritime Archaeology)

A embarcação holandesa Schiedam foi encontrada na costa do Reino Unido.

Após uma série de tempestades, parte da carga do navio holandês Schiedam foi revelada na costa da Cornualha, no Reino Unido. A embarcação afundou em 1684 e foi localizada em 1971 por mergulhadores, a uma profundidade de quatro a sete metros. Mas apenas agora os pesquisadores têm acesso detalhado aos itens do navio.

Entre os objetos estão um par de granadas de mão do século 17, enferrujadas, desgastadas e com um pouco de mármore decorativo. Explorações anteriores mostraram que o navio tinha um arsenal de armas, como canhões de ferro e rodas de carruagem.

Um dos canhões do navio Schiedam (Foto: David Gibbins/Cornwall Maritime Archaeology)

Durante as tempestades, pesquisadores aproveitaram para registrar imagens de fotogrametria 3D dos destroços, mostrando mais detalhes do náufrago.

Segundo especialistas, Schiedam começou a ser usado nas Índias Orientais, em 1600. Mais tarde, foi capturado por piratas, enquanto levava uma carga do norte da Espanha. O navio foi recapturado por uma equipe inglesa e levada para Cádis, onde os itens foram vendidos.

Destroço marítimo de pedra e madeira do navio Schiedam (Foto: David Gibbins/Cornwall Maritime Archaeology)

Antes de afundar, Schiedam fazia o transporte de munição da Marinha Real Britânica para uma colônia no norte da África. O naufrágio aconteceu em 4 de abril de 1684, durante uma forte tempestade. Acredita-se que moradores saquearam a maior parte dos destroços.

"O Schiedam é um naufrágio fascinante porque estava carregando mercadorias da colônia inglesa de Tânger [Marrocos], que havia sido abandonada aos mouros", disse David Gibbons, da Cornwall Maritime Archaeology, entidade de arqueologia marítima.

"Representa um momento crucial na história porque o fracasso de Tânger levou os ingleses a procurarem Bombaim. Se os ingleses tivessem conseguido abrir um enclave comercial no norte da África e focar seus interesses no Mediterrâneo, em vez de na Índia, o mundo teria sido um lugar muito diferente hoje".

Fonte: https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Arqueologia/noticia/2019/01/navio-pirata-naufragado-revela-tesouros-e-armas-do-seculo-17.html (04/01/2019)