domingo, 7 de outubro de 2012

Filme dinamarquês centra foco na pirataria do leste da África

Reuters.Um Sequestro" ("Kapringen" em dinamarquês), dirigido por Tobias Lindholm, fala sobre pirataria no leste africano.

Por John Acher*

Foto: Um Sequestro" ("Kapringen" em dinamarquês), dirigido por Tobias Lindholm, fala sobre pirataria no leste africano.

Um novo filme dinamarquês feito com um orçamento apertado e elenco parcialmente amador enfrenta o flagelo global da pirataria em alto mar através de um drama psicológico sobre as negociações para libertar um navio e sua tripulação sequestrada por saqueadores somalis.

"Um Sequestro" ("Kapringen" em dinamarquês), dirigido por Tobias Lindholm, chega às salas de cinema na Dinamarca nesta quinta (20) após a estreia mundial no Festival de Veneza, no início deste mês, e de apresentações subseqüentes no Festival de Toronto.
"É um drama europeu de seqüestro e negociação, e há uma violência muito mais psicológica do que uma ação real", disse Lindholm.

Pirataria é abundante no leste da África, interrompendo rotas marítimas entre a Europa ea Ásia, colocando marinheiros, navios e cargas em risco e custando somas enormes às empresas de transporte para se proteger. Os piratas tendem a ser desperados somalis.

"É um filme contemporâneo sobre ... um grande problema agora, então eu estaria mentindo se dissesse que não é político, mas eu não tenho uma resposta (ao problema da pirataria) no filme", ??disse Lindholm.

"A mensagem é tentar mostrar o quão complicada é a situação, e como está longe de ser um clichê", disse ele. "Ninguém é realmente o vilão. Todo mundo está fazendo o melhor que podem, até mesmo os piratas."

O filme é ficção, mas fala da carga navio MV Rozen, que está se dirigindo para o porto quando é abordado no Oceano Índico por piratas, que exigem milhões de dólares de resgate para libertar a tripulação em um jogo de vida-e-morte que dura 134 dias.

Com um orçamento de pouco menos de 2 milhões de euros (2,61 milhões dólares), Lindholm e sua equipe recrutaram jovens somalis do porto queniano de Mombaça para interpretar os piratas e marinheiros reais para fazer os tripulantes. Eles também contrataram o chefe de segurança de uma empresa de navegação dinamarquesa para atuar como negociador-chefe no filme.

Pouco mais de um ano atrás, eles alugaram o Rozen, que foi sequestrado de verdade em 2007, e partiram para o Oceano Índico para filmar as cenas do Leste Africano, que alterna com cenas tensas a partir de uma sala de negociação da empresa de transporte na Dinamarca.

Tripulação foi refém

Os marinheiros contratados para interpretar os membros da tripulação foram eles próprios reféns no seqüestro de um outro navio apenas um ano antes de Lindholm começar a fazer seu filme.

Lindholm, que diz que "está sobre os ombros" do movimento Dogma dinamarquês minimalista que estourou para a fama em meados da década de 1990, disse que seu objetivo era ser o mais realista possível.

"As armas usadas pelos piratas do filme são as que emprestamos da polícia queniana que tomaram as armas dos piratas somalis quando os prenderam no porto", disse Lindholm. "Então, cada pequeno detalhe do seqüestro tentamos colocar em o maior realismo possível."

Para recrutar jovens Mombasa para agir como piratas Lindholm pediu permissão de líderes de clãs somalis no Quênia.

"Eles me surpreenderam porque achei que não gostariam de contar esta história porque é uma história brutal sobre a realidade da Somália", disse Lindholm.

"Mas eles me imploraram para contar a história da maneira mais crua possível, porque eles estão perdendo seus jovens agora, pensando que a fortuna é (para ser feita) como piratas."

Para tamanho baixo orçamento, empreendimento de alto risco Lindholm contou com seus amigos em uma banda de jazz composta por seu diretor de fotografia, o chefe de produção, editor do filme, o homem do som, produtores e ator Pilou Asbaek que é o protagonista como o cozinheiro do navio.

"A banda de jazz não ter muito dinheiro, então nós realmente colocar o dinheiro na tela - que é o ponto de fazê-lo desta forma", disse Lindholm, um roteirista para quem este era apenas o seu segundo filme depois de "R" , um 2010 drama de prisão dinamarquesa.

Lindholm, que já trabalhou como co-roteirista com diretor dinamarquês Thomas Vinterberg, cujo "The Hunt" concorreu a Palma de Ouro em Cannes este ano, disse que espera "um seqüestro". Iria aumentar a conscientização sobre a pirataria entre uma audiência mundial

"É uma questão de grande mundo político, mas ... Eu não tenho mensagem para o mundo, apenas os fatos do que está acontecendo", disse ele.

* (Editado por Paul Casciato)

Fonte: http://cinema.uol.com.br/ultnot/reuters/2012/09/20/filme-dinamarques-centra-foco-na-pirataria-do-leste-da-africa.jhtm (20/09/2012)

Nenhum comentário:

Postar um comentário