Postagens

Esqueça "andar na prancha". Retratos piratas - de Barba Negra ao Capitão Kidd - são mais fantasia do que fato.

Imagem
  Como achamos que famosos swashbucklers andavam, conversavam e se vestiam não vinham dos livros de história, então de onde vieram esses mitos piratas? POR JAMIE L. H. GOODALL 03.05.2022 Diga "pirata", e as pessoas imaginam homens grisalhos com tapa-olhos, papagaios e mapas de tesouros . Eles imaginam bucaneiros forçando suas vítimas a andar na prancha, e gritando "Trema-me madeiras" enquanto eles hasteiam a bandeira jolly roger. Acontece que muitos desses estereótipos não são verdadeiros. Piratas existem há quase tanto tempo quanto as pessoas navegaram pelas águas do mundo, e, de fato, ainda existem. É como eles foram retratados que muitas vezes é enganoso. Então, de onde vieram essas interpretações erradas? Moda pirata Piratas são comumente retratados usando trajes coloridos. Ele pode ostentar como uma camisa de ajuste solto com uma bandana em torno de sua cabeça, um cachecol em torno de sua cintura, calças rasgadas, usando botas esfarrapadas, como o Cap

A PROFUNDEZA DO MAR AZUL!

Imagem
  A obra que conta a história da humanidade em busca de tesouros perdidos. As invenções e técnicas que sobrepujaram o medo ancestral pelas profundezas do mar. Da antiga Grécia ao século XIX, uma das mais fantásticas sagas da história humana. Visite a página do escritor em Clube de Autores: Dalton Delfini Maziero - Clube de Autores

O dia em que o Príncipe de Astúrias, o 'Titanic brasileiro', naufragou nas águas de Ilhabela

Imagem
André Bernardo Do Rio de Janeiro para a BBC News Brasil 21 abril 2022 Herson Capri tinha nove anos quando sua mãe, Yole, o levou para ouvir o relato do naufrágio do Príncipe de Astúrias da boca de um de seus sobreviventes: o tio Renato, de 60. O futuro ator cresceu ouvindo a heroica epopeia de dois membros da família Capri que, vindos de Verona, na Itália, chegaram a nado ao Brasil. Literalmente. Mas Herson nunca teve o privilégio de ouvir a história narrada em primeira pessoa. Título dado ao primogênito do rei da Espanha, o Príncipe de Astúrias era o nome do mais luxuoso transatlântico da frota espanhola da época. Tão luxuoso que o "palácio flutuante", como era chamado, tinha restaurante, biblioteca, ambulatório e até salão de música. Com mais de 150 metros de comprimento, podia alcançar velocidade de 18 nós (33 km/h) e transportar até 1.890 passageiros: 150 na primeira classe, 120 na segunda, 120 na segunda classe econômica e 1.500 na terceira classe. Os amb

Navio de explorador pioneiro da Antártida é encontrado após 107 anos

Imagem
Por: Jonathan Amos Correspondente de Ciência da BBC - 09.03.2022 Cientistas encontraram e filmaram o navio Endurance, do explorador da Antártida Ernest Shackleton, 107 anos após a embarcação ter naufragado. A descoberta foi feita no último fim de semana, nas profundezas do Mar de Weddell, no oceano Antártico. O navio foi esmagado por blocos de gelo e afundou em 1915, levando Shackleton e seus homens a uma fuga surpreendente a pé e em pequenos botes. Vídeos do naufrágio mostram que o Endurance está em condições notáveis. Mesmo estando a 3 km embaixo d'água há mais de um século, se parece exatamente como no dia de novembro em que afundou. Suas madeiras, embora rompidas, ainda estão bem unidas, e o nome — Endurance — está claramente visível na popa da embarcação. "Sem nenhum exagero, este é o melhor naufrágio de madeira que eu já vi — de longe", afirmou o arqueólogo marinho Mensun Bound, que participou da expedição de descoberta e realizou uma das ambições do

DESTROÇOS DO LENDÁRIO NAVIO DO CAPITÃO COOK PODEM TER SIDO FINALMENTE ENCONTRADOS

Imagem
Embarcação foi usada no século XVIII em uma viagem histórica pelos territórios inexplorados da Austrália e Nova Zelândia Por  History Channel Brasil  em  04  de  Fevereiro  de  2022  às  16:16 Na segunda metade do século XVIII,  o capitão britânico James Cook  escreveu seu nome na história devido a suas viagens pioneiras por locais virtualmente desconhecidos do Oceano Pacífico. A bordo do navio Endeavour, ele explorou os territórios selvagens da Austrália e Nova Zelândia. Agora, pesquisadores afirmam que encontraram os destroços dessa lendária embarcação. Destroços do Endeavour Entre 1768 e 1771, em nome do Império Britânico, o Capitão Cook comandou o Endeavour em uma viagem histórica pelos territórios inexplorados do Pacífico. Oficialmente, seu destino era o Taiti, onde estabeleceria um observatório astronômico para registrar o trânsito de Vênus. Mas, na verdade, Cook cumpria a missão secreta de  encontrar a "grande terra do sul" e reivindicá-la para Grã-Bretanha.

Mulheres Saqueadas e Swashbuckled Com o Melhor (e Pior) delas

Imagem
O novo livro "Mulheres Piratas" revela as histórias das mulheres que navegaram para a história, desarmadas na mão . POR  SARAH DURN 4 DE JANEIRO DE 2022 ( Tradução livre via Google Tradutor, do original em inglês ) DESDE QUE HOUVE  piratas à espreita nas ondas, houve mulheres entre suas fileiras temidas, detestadas e reverenciadas. Havia a Rainha Persa Artemisia I de Halicarnasso, que enfrentou os gregos em 480 A.C. Havia Jeanne de Clisson do século XIV, que caçava navios franceses depois que o rei francês executou seu marido. Havia a pirata americana Rachel Wall, que saqueou ao lado do marido no final do século XVIII. Essas mulheres fizeram quase tudo que os piratas homens fizeram, desde lutar até limpar os baralhos. Às vezes, eles faziam melhor. O pirata mais bem sucedido de todos os tempos, homem ou mulher?  China's Cheng I Sao. Ela acumulou uma frota pirata 60 vezes maior que a do infame Barba Negra e colocou o governo chinês de joelhos no início do século XIX.

Museu do Naufrágio guarda há 16 anos a história dos Ingleses

Imagem
O manezinho Daniel Rian trabalha no Museu do Naufrágio, desde a fundação, cuidando das relíquias do barco pirata que naufragou na antiga Desterro Por: NÍCOLAS HORÁCIO, FLORIANÓPOLIS  07/10/2021  Um pedaço da história do bairro Ingleses, no Norte da Ilha, continua preservado e muito bem cuidado pelo manezinho da Ilha, Daniel Rian, curador do Museu do Naufrágio, localizado no canto direito da praia. O espaço reúne artefatos de uma embarcação do Século 17. Com a história na ponta da língua, Daniel, que tem 51 anos, há 16 explica para os visitantes o seu trabalho no museu e a história das peças que conserva. Mais de 36 mil pessoas já visitaram o local. “Aqui, fizemos o resgate de um barco espanhol, mas quem estava nele eram piratas ingleses, que roubaram o barco no Peru. Depois de se perder da frota e vagar durante seis meses, saqueando colônias espanholas, eles tentaram voltar para Inglaterra, pararam aqui na Ilha e foram capturados pelo fundador da Vila de Nossa Senhora do Desterro