sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Irã realizará manobras navais por 10 dias no Golfo de Áden

A Marinha já escoltou 1.300 embarcações e travou vários confrontos armados com piratas somalis (AFP, Hamed Jafarnejad)
(AFP)

TEERÃ — O Irã irá realizar a partir de sábado dez dias de manobras navais ao leste do Estreito de Hormuz, no mar de Omã e no Golfo de Áden, anunciou nesta quinta-feira o comandante da Marinha, o almirante Habibollah Sayyari.

"É a primeira vez que manobras navais iranianas vão cobrir uma área tão extensa", ressaltou Sayyari citado pela agência de notícias Fars.

Estes exercícios servem para "testar novos torpedos e treinar a coordenação entre os navios de superfície e submarinos para combater a pirataria, o terrorismo e ameaças ambientais", afirmou o almirante.

A Marinha iraniana é responsável pela defesa da região costeira do Irã a leste do Estreito de Hormuz, enquanto o controle das águas rasas, confinadas no Golfo, são controladas pela Guarda Revolucionária.

A Marinha, que possui apenas meia dúzia de pequenas fragatas e três submarinos russos da classe "Kilo", aumentou nos últimos dois anos suas operações no Mar de Omã e no Golfo de Áden, especialmente para proteger os navios iranianos contra os piratas somalis que operam nesta área.

Ela escoltou mais de 1.300 embarcações e já participou de centenas de confrontos armados com piratas, de acordo com o almirante Sayyari.

Para os próximos exercícios não está previsto o fechamento do Estreito de Hormuz, que liga o Golfo ao Mar de Omã, e por onde transita 40% do tráfego mundial de petróleo, informou.

Rumores sobre a possibilidade de tal exercício causou um aumento dos preços do petróleo no início de dezembro, enquanto isso, as relações entre o Irã e seus vizinhos árabes do Golfo atravessam um período de crise.

Contudo, o almirante reafirmou nesta quinta-feira que as forças iranianas têm "o controle total do Estreito de Hormuz" e, portanto, podem fechá-lo caso seja ordenado. O Irã afirmou em várias ocasiões que fecharia esta via estratégica se fosse atacado ou impedido de exportar seu petróleo.

Fonte: http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5jeAa72zknXjfM4P9jxcuwG-JNzGw?docId=CNG.f719c3ff1b7ed268f0a349036daa0bd2.51 (22/12/2011)

Nenhum comentário:

Postar um comentário