domingo, 8 de agosto de 2010

Piratas somalis liberam navio, mas deixam 2 tripulantes feridos

Piratas somalis liberaram na sexta-feira o cargueiro Syrian Star, que tinha sido sequestrado há dois dias, mas deixaram dois feridos entre os 24 tripulantes, segundo informou neste sábado a força naval europeia EU NAVFOR.

"O Syrian Star foi sequestrado na quinta-feira, 5 de agosto, na parte leste do golfo de Áden, mas agora está livre; os primeiros relatórios indicam que os piratas deixaram o navio voluntariamente, em um dos botes salva-vidas", assinalou a EU NAVFOR em comunicado.

A força europeia acrescentou que, "na noite de 6 de agosto, o Syrian Star pediu assistência médica para dois membros da tripulação, que tinham sido feridos durante o ataque e sequestro".

A tripulação do Syrian Star, que navega com bandeira do arquipélago caribenho de São Vicente e Granadinas e transporta uma carga de açúcar, é formada por 22 sírios e dois egípcios.

A fragata alemã Schleswig-Holstein, da missão Atalanta da força europeia, estava perto do Syrian Star e enviou um helicóptero com uma equipe médica para atender os feridos.

Em sua chegada, a equipe encontrou um terceiro tripulante que requeria ajuda médica após um incidente relacionado com o trabalho.

O comandante da força europeia, Jan Thörnqvist, disse no comunicado que "sempre é bom ouvir que um navio sequestrado está livre, e agora a EU NAVFOR dará aos tripulantes feridos a assistência médica que necessitam".

Após esta libertação, os piratas somalis ainda retêm pelo menos 22 navios e 400 tripulantes sequestrados no oceano Índico e no golfo de Áden, segundo números da Ecoterra, uma organização que vigia a pirataria e a pesca ilegal nestas águas.
Navios da EU NAVFOR patrulham estas águas na operação Atalanta, cujo objetivo é proteger navios comerciais e humanitários de ataques piratas.

A Somália não teve um Estado ou um Governo efetivo desde 1991, quando o ditador Siad Barre foi derrubado, e vive desde então em situação de guerra aberta entre diferentes senhores da guerra, clãs e milícias.

Esta situação de caos e miséria, somada à possibilidade de conseguir grandes resgates, faz com que jovens desempregados e antigos pescadores decidam se dedicar à pirataria, segundo a ONU e organizações marítimas.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/noticias/ (07/08/2010)

Nenhum comentário:

Postar um comentário