quarta-feira, 14 de julho de 2010

Piratas libertam 2 russos e um lituano na África

MOSCOU (Reuters) - Dois marinheiros russos e um lituano, sequestrados dos seus barcos perto da costa de Camarões em maio, foram libertados, disse neste domingo o Sindicato dos Marinheiros da Rússia (SUR, na sigla em inglês).

O capitão e engenheiro-chefe russos do barco grego North Spirit e o capitão do lituano Argo, sequestrados em 16 de maio, estão agora a caminho da Nigéria. Eles foram vítimas de ataques que, segundo analistas, marcam a expansão da pirataria para o oeste da África.

"O processo de negociação durou um mês e, finalmente, o sindicato recebeu a boa notícia," afirmou a SUR num comunicado. Segundo o sindicato, os marinheiros passarão por exames médicos e serão recebidos por agentes diplomáticos na Nigéria.
A agência de notícias estatal ITAR-TASS, citando um porta-voz da SUR, afirmou que o dono do barco grego pagou o resgate.

A libertação dos marinheiros ocorre no momento em que dois navios de carga foram atacados na costa nigeriana, região produtora de petróleo. Uma pessoa foi morta, e 12, sequestradas.

Neste domingo, a SUR disse que sete desses sequestrados eram russos. Um porta-voz da diplomacia alemã afirmou que há dois alemães no grupo e disse que Berlim trabalhava junto com autoridades nigerianas para conseguir a libertação.

Também neste domingo, o presidente russo, Dmitry Medvedev, prometeu reprimir a pirataria. "O trabalho (de combater a pirataria) vai continuar. Os benefícios são óbvios para o nosso país, para a nossa marinha mercante e para os barcos estrangeiros."

Em abril, depois de iniciativa russa, o Conselho de Segurança das Nações Unidas sugeriu a criação de tribunais especiais para pirataria. Analistas dizem que o ataque de maio, perto do porto de Douala, mostrou que os piratas da região estão se aventurando para outras regiões e se tornando mais ousados.

Em abril, Camarões culpou a pirataria por parte da queda de 13 por cento na produção de petróleo em 2009.

(Reportagem Amie Ferris-Rotman)

Fonte: http://oglobo.globo.com/economia/mat/2010 (04/07/2010)

Nenhum comentário:

Postar um comentário